quarta-feira, 15 de agosto de 2007

Enquanto houver ventos e mar...

Palmex no Casino do Estoril - 5ª feira - 9 de Agosto - 2007

Um dos concertos mais sóbrios e elegantes do grande compositor, músico e cantor: Jorge Palma
-
Quem já viu vários concertos do Jorge sabe que a fobia de palco o impele a entrar em cena com doses ébrias muito fortes. O penúltimo concerto que vi dele foi desolador, recordo-me do mau feitio (coitado do violinista, foi o poço sem fundo das inseguranças do Palma), das brancas nos acordes de guitarra e nas letras das canções.
-
Neste último concerto o enredo foi bem diferente, com uma formação jovem, um guitarrista exemplar e versátil, Marco Nunes (Ex-Blind Zero e actualmente com Jorge Palma & Pedro Abrunhosa), uma secção rítmica eficaz e um teclista no Hammond complementando esta nova sonoridade presente em "Voo Nocturno", Palma brilhou.

De referir também a presença de Vicente Palma, o respectivo herdeiro musical que esteve à altura, acompanhando diversos temas em duo com o pai (momentos de grande carga emotiva) e alguns outros com toda a banda. De notar a semelhança tímbrica vocal que Vicente tem com o pai, de olhos fechados é possível a ilusão auditiva acontecer com certa facilidade.
-
Não é fácil tocar com os devaneios e humores de Mr.Palma, estiveram todos à altura da responsabilidade.
-
O concerto reuniu uma amálgama de temas, uma viagem percorrida pelas diversas cores que o espólio musical deste grande compositor apresenta.

E a viagem continua...enquanto houver estrada para andar!

Tira a mão do queixo, não penses mais nisso
O que lá vai já deu o que tinha a dar
Quem ganhou, ganhou e usou-se disso
Quem perdeu há-de ter mais cartas para dar
E enquanto alguns fazem figura
Outros sucumbem à batota
Chega onde tu quiseres
Mas goza bem a tua rota
-
Enquanto houver estrada para andar
A gente vai continuar
Enquanto houver estrada para andar
Enquanto houver ventos e mar
A gente não vai parar
Enquanto houver ventos e mar

Todos nós pagamos por tudo o que usamos
O sistema é antigo e não poupa ninguém, não
Somos todos escravos do que precisamos
Reduz as necessidades se queres passar bem
Que a dependência é uma besta
Que dá cabo do desejo
E a liberdade é uma maluca
Que sabe quanto vale um beijo

Enquanto houver estrada para andar
A gente vai continuar
Enquanto houver estrada para andar
Enquanto houver ventos e mar
A gente não vai parar
Enquanto houver ventos e mar

Enquanto houver estrada para andar
A gente vai continuar
Enquanto houver estrada para andar
Enquanto houver ventos e mar
A gente não vai parar
Enquanto houver ventos e mar

4 comentários:

David Cameira disse...

Finalmente um post novo

TOTIL, baril

Olha, sem querer desprestigiar nada e não te ofendas, mas o q achas do Tony Carreira no Festival da Credial ?

just blue disse...

enquanto houver estrada para andar...
a gente vai continuar...
em nome dessa estrada onde só se quer ser feliz
Encosta-te a mim... Grande Palma!;)

Proximo concerto não tens desculpa de te esqueceres de avisar!!

besito ito
just blue

Da acompanhante :D disse...

Foi lindissímo apesar de me doer o rabo quase quinze dias depois :D

Beijokas...

neu disse...

Os génios são assim... inconstantes.

Adorei a descrição!! É sempre engraçado perceber a percepção dos outros.

Bjinhos